DeMillus - Vendas por catálogo


A profissionalização da roupa íntima

Eva Goldman, 52 anos, segunda geração da família no comando da DeMillus, conta como a indústria se tornou a maior fabricante de lingerie da América Latina, tendo nos catálogos seu principal canal de venda

Por Katia Simões
Marcelo Correa
A travessura que deu certo – “Meus avós tinham uma loja de roupa feminina
 no Rio de Janeiro. Em 1947, tio Nahum aproveitou a viagem dos pais para comprar
 duas máquinas de costura e iniciar uma produção de sutiãs. Quando meu avô voltou,
 ficou bravo: o dinheiro saíra do caixa da loja. Depois de erros e acertos, a DeMillus
 passou a fornecer os sutiãs para a loja da família, entre outras. Cinco anos depois,
 inaugurava uma fábrica na Penha.”
Desafio – “A verticalização nos anos 60 permitiu driblar a falta de matéria-prima.
 Hoje compramos de fornecedores do mundo todo, mas contamos com a produção
 doméstica para assegurar a uniformização dos tons de tecidos e aviamentos,
 um desafio no ramo.”
Canal – “Os catálogos nasceram na década de 80 para ensinar o atacadista
 a trabalhar com campanhas. Distribuídos hoje às revendedoras,
 respondem por 77% das vendas.”
Reversão – “Com o fim dos magazines e a diminuição de lojas especializadas,
 perdemos mercado. A venda por catálogo reverteu o cenário.”
Diferencial – “Lançamos minicoleções a cada três semanas, um ritmo acelerado
 pa-ra o mercado.”
Segredo – “Não perder o foco nos públicos e segmentos escolhidos e
 respeitar o planejamento.”
                                             DEMILLUS
O QUE É
: fabricante de lingerie dia e noite,

 meias finas e cosméticos,
 fundada em 1947, no Rio de Janeiro,
 por Nahum Manela.
 Tem três fábricas: duas no Rio de Janeiro
 e uma na Paraíba;
 5.500 funcionários e 129 mil revendedoras.
 Produz 140 mil peças por dia,
 44 milhões por ano
O QUE OFERECE: 500 modelos de lingerie 

por campanha comercializados via catálogo,
 distribuidores e varejo multimarca
FATURAMENTO PARA 2010: R$ 400 milhões



Fonte: Revista PEGN Aqui